Os caminhos da Impressão Digital e os Documentos Transacionais

Os caminhos da Impressão Digital e os Documentos Transacionais

Avalie este item
(0 votos)

nossa artigo na última edição da revista Desktop

Recentemente duas pesquisas realizadas por consultorias norte-americanas de renome como a InfoTrends e a PODi, trouxeram aspectos importantes sobre os rumos da utilização da impressão digital, por um lado, e as perspectivas do crescimento na utilização de documentos transacionais em formato digital, por outro. Vamos explorar isso.

Em primeiro lugar deve-se levar em conta que estamos falando sobre o mercado norte-americano, mas vale a pena a verificação até mesmo pelo impressionante volume de comunicação impressa que utilizam. De forma geral as premissas levantadas podem, até certo ponto, ser extrapoladas para nosso mercado.

Em segundo lugar as duas consultorias são especialistas nessas áreas e possuem levantamentos diversos em nível global, em especial a InfoTrends para a qual realizamos a maioria de suas pesquisas na América Latina. Da mesma forma a PODi com que já trabalhamos e desenvolvemos sua operação na região, suas pesquisas tem como foco principal o mercado dos EUA, mas também possuem referencias globais de afiliados.

Começando por aí. No inicio deste ano a PODi comentou os resultados de sua pesquisa anual sobre caminhos que seus levantamentos apontam para o mercado de impressão digital. Os principais pontos que destaco, entre os mais de dez ressalvados na pesquisa, são: a crescente agitação, no segmento de marketing direto, em torno do marketing de cross-media, com a integração da mala direta, email, mídia social, aparatos móveis, etc.; a questão da efetiva personalização das comunicações impressas que começa a ser adotada de forma mais abrangente pelo pessoal de marketing; a canalização da impressão de baixas tiragens através de sistemas web-to-print e a constatação de que os fornecedores de serviços gráficos que não incorporarem esses sistemas em sua oferta de negócios terão desvantagens de venda; a adoção crescente, pelos editores de livros, da impressão digital, independentemente dos ebooks,, com a indicação de que boa parte do mercado de livros impressos será feito em rotativas inkjet em futuro próximo e, por fim, os extratos de conta estão mudando para cor, mas, ao mesmo tempo, estão se tornando eletrônicos. Segundo a PODi, nos EUA os volumes de impressão transacional declinarão significantemente nos próximos 5 anos.

Pois bem, nesse ponto levanto uma pesquisa recente de InfoTrends denominada The Emergence of Digital Mailbox Services, algo como O Crescimento dos Serviços de Correio Digital, cujo objetivo foi o levantamento do impacto desse serviço no mercado de documentos transacionais pelo menos até 2015. Esse tipo de serviço entrega de forma digital documentos transacionais, em especial contas de cartões de crédito e outras, de forma organizada e planejada para o usuário final.

Essa pesquisa mostra alguns aspectos interessantes. Primeiro que o mercado norte-americano de documentos transacionais é estável em seu número total projetado, ou seja, algo como 28,2 bilhões de documentos em 2010 para 29,2 bilhões em 2015.

A diferença está na forma. A estimativa é que esse tipo de serviço eletrônico atinja 7% do mercado em 2015 representando, por outro lado, 19% de toda a entrega de cobrança em formato eletrônico. Esse serviço não somente apresenta maiores funcionalidades para os usuários como criando oportunidades adicionais de engajamento com o cliente tendendo a acelerar a sua mudança do papel para os meios digitais. Isso fica claro, no levantamento, quando se identifica uma projeção de crescimento até 2015 de 18,2% ao ano dos documentos transacionais em forma eletrônica e um decréscimo de 5,2% ao ano em formato papel, o que bate com a constatação feita pela pesquisa da PODi.

Antes que soem todos os alarmes das impressoras, ressaltemos duas coisas relativas ao Brasil. Primeiro, o mercado brasileiro, pela incorporação de novos consumidores, tende a ter um crescimento bastante razoável da base de documentos transacionais e, segundo, apesar das massivas campanhas dos bancos para que os consumidores adotem os extratos online há ainda um fantástico horizonte a ser explorado pelos marqueteiros na ampliação dos contatos e geração de diálogos com seus clientes através de mensagens relevantes devidamente impressas, com cores atrativas, em documentos transacionais. Documentos que ainda contam com maior credibilidade de seus correntistas. Se as mensagens forem relevantes a quem os recebe, o seu tempo despendido na leitura e sua resposta serão extremamente compensadoras. Em especial se forem embutidas de tecnologia cross-media que permite medições de retorno em tempo real.

Como o mercado nacional começa a instalar tecnologias propicias a essas produções impressas será interessante ver como os grandes emissores de documentos transacionais no Brasil vão se portar. Esse sem, dúvida, será um dos temas que debatidos no evento TransPromo Multicanal que será realizado em abril no espaço Millenium em São Paulo

Ler 69300 vezes
Hamilton T. Costa

Website.: www.anconsulting.com.br